terça-feira, 22 de julho de 2008

Partidos comunistas protestam contra a prisão de Rodrigo Granda, das FARC. Estão a favor dos terroristas.


Rodrigo Granda, também conhecido como Ricardo Gonzalez, foi detido por forças colombianas no dia 13 de Dezembro de 2004. O grupo armado comunista das Forças Revolucionárias da Colômbia (FARC) reclama que a detenção é ilegal, visto que Granda esteve na Venezuela com objetivos relacionados ao seu trabalho como um delegado internacional. das FARC. Contudo, o governo de Colômbia não reconhece as FARC como um grupo político legítimo e acusa as FARC de tráfico de drogas e terrorismo.

Segundo uma nota liberada pelas FARC, vários partidos comunistas estão mostrando a solidariedade com as FARC e protestando pela detenção de Rodrigo Granda. Além do mais, eles criticam a extradição do comandante das FARC Simón Trinidad aos Estados Unidos da América.

Entre os países de língua portuguesa, os partidos que apoiaram as FARC foram: o Partido Comunista Português e o Partido Comunista do Brasil.

Os partidos políticos que estão citados na página das FARC são: Partido Comunista da Grécia, Partido Comunista Português, Partido Comunista do Povo da Espanha, Partido Comunista da Espanha, Novo Partido Comunista dos Países Baixos, Partido Comunista da Irlanda, Partido dos Trabalhadores da Irlanda, Partido de Comunistas Italianos, Partido da Aliança Socialista (Romênia), Partido de Comunistas da Cataluña, Partido Comunista da Argentina, União de Comunistas da Ucrânia, Partido Comunista da Argentina, União de Comunistas da Ucrânia, Partido Comunista Francês, Partido de Tudeh do Irão, Partido Comunista de Malta, Novo Partido Comunista da Grã-Bretanha, Partido Comunista da Dinamarca, Partido Comunista da Noruega, Partido Comunista do Luxemburgo, Partido Comunista dos EUA, Partido Comunista da Grã-Bretanha,Partido Comunista da Grã-Bretanha, Partido Comunista do Tajiskistão, Partido Comunista de Israel etc etc etc....

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

O movimento guerrilheiro colombiano surgiu das lutas revolucionárias que em 1948 faziam resistência à elite orligárquica que achicalhava o país andino e unia liberais e socialistas em busca de reformas políticas. Os primeiros abandonaram o front quando tiveram seus interesses parcialmente satisfeitos e temendo o avanço comunista na luta. Foi quando em 1964 surgiram as FARC, de um grupo de rebeldes que refugiou-se na selva fungindo a uma truculenta repressão do governo. O grupo comandado por Manuel Murilanda adotou posição explicitamente de esquerda e lançou em seus estatutos, ideais pouquissimo louváveis. Sob a bandeira do MARXISMO, tinham objetivos de tranformações profundas e necessárias à sociedade colombiana.

A verdade é que há uma grande diferença entre as FARC e o governo legítimo da Colômbia. Legítimo até mais não. Uribe teve 62% nas eleições, o mesmo que o vizinho Chavez na Venezuela. As FARC são uma organização terrorista. Ninguém os elegeu e, tirando os comunistas revolucionários retintos e incorrigíveis e os que ganham com o tráfico de droga, ninguém os apoia.

ASS LORD SS 14/88