segunda-feira, 3 de novembro de 2008

BPN usado para lavar dinheiro. Estado está a privatizar os lucros (Galp) e a nacionalizar os prejuízos(BPN). O contribuinte é que paga por isso...


Banco nacionalizado - suspeitas de crime atingem três ex-administradores.
Quem paga? Os contribuintes... E os responsáveis? e os sócios do banco? vamos nós pagar pelos crimes deles? Aposto que nunca se chegará a saber nada, e ninguem vai ser responsabilizado.
A informação sobre uma "operação clandestina", como lhe chamou ontem Vítor Constâncio, apanhada há meses pelos investigadores da ‘Operação Furacão’, deu um golpe mortal no BPN e apressou a nacionalização quando a situação deste banco se fragilizou nos últimos dias. O Ministério Público detectou uma operação de centenas de milhões de euros sem qualquer suporte contabilístico num balcão virtual do Banco Insular de Cabo Verde, que gerou um elevadíssimo valor incobrável.

O CM sabe que estes factos constam da queixa que Miguel Cadilhe entregou ao Ministério Público, junto com documentos a indiciar uma fraude gigantesca no BPN.

O Governo anunciou ontem a nacionalização do banco e a Polícia Judiciária prepara-se para dar início a uma investigação de contornos inéditos. Procurara-se pelos menos 700 milhões, que poderão ter sido desviados na sequência de operações financeiras duvidosas. Há três ex-administradores ligados à gestão do ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, dos governos de Cavaco Silva, que foram denunciados pelo actual presidente da Sociedade Lusa de Negócios, a holding detentora do BPN, e que poderão ser acusados de branqueamento de capitais, gestão danosa e de fraude. Os documentos reunidos por Cadilhe estão neste momento a ser analisados pelos magistrados para serem delimitados os factos com relevância criminal a investigar. O processo será enviado nos próximos dias para a PJ. Um elemento da Direcção Central de Combate à Criminalidade Económica e Financeira esteve presente no encontro com Miguel Cadilhe e já foram desencadeadas as primeiras diligências.

A ‘Operação Furacão’, desencadeada em 2005, levou o Ministério Público às instalações do BPN. Foram detectados esquemas de branqueamento de capitais que funcionavam com recurso a off-shores, mas só agora, realizada a auditoria da SLN, as autoridades perceberam a verdadeira dimensão do problema. Há situações de créditos não reconhecidos e transferência de perdas do BPN para offshores, entre outras situações ilícitas.

Info de CM

Publicado por Lord SS 14/88

1 comentário:

Albin disse...

Sobre o assunto em epígrafe, de onde consta o escândalo do BPN, e sobre o qual se tem omitido a aquisicão de uma coleccão de "arqueologia", pela anterior direccão desse banco, pela quantia de cinco milhões de euros, recomenda-se a sua consulta no Fórum Arqueologia, na seccão Conversa Geral, nos tópicos em discussão na actualidade, "Contrafaccão e contrabando de objectos ditos arqueológicos"; "Década de noventa - época de vandalismo e saques organizados"; e "Polícia espanhola".

Atenciosamente os nossos cumprimentos.